Arte Grega

Floresceu nos séculos VII e II a.C. tanto na Grécia como noutros territórios habitados pelos gregos.
Eles foram os primeiros artistas realistas da história que representaram a natureza tal como era. Para o fazerem estudaram as proporções cuja base se consagra na máxima que o homem é a medida de todas as coisas. Este conceito prolonga-se no tempo e aparece, o que ainda hoje é estudo obrigatório, o Cânon da figura humana.
A arte grega divide-se em quatro grandes períodos: O Geométrico, século IX e VIII a.C., o Arcaico, séculos VII e VI a.C., o Clássico, séculos V e VI a.C. e o Helenístico dos séculos III e I a.C. A arte grega caracteriza-se pela estética proporcional, equilíbrio e expressividade da figura humana. Para tal desenvolveram grande perfeição no desenho. Os jogos de competição, o interesse pela cultura e desenvolvimento do corpo, levaram-nos a aperfeiçoar o desenho da anatomia. Daí a escultura e a pintura grega terem sido as primeiras com um realismo que se viria a manter até aos dias de hoje. Obras às quais foram beber os romanos e mais tarde os renascentistas e que viriam a revolucionar o mundo das artes.
Desafortunadamente a pintura grega baseava-se principalmente na decoração de ânforas, as quais não resistiram dois milénios para terem chegado aos nossos dias. Restam-nos algumas cerâmicas ricamente pintadas as quais datam do século III a.C. como sendo o período áureo desta arte, para além ricos mosaicos e de muitos fragmentos cerâmicos que nos dão uma ideia do que poderia ter sido a pintura naquela civilização. Quanto à escultura muita foi encontrada e hoje faz as delícias dos museus em todo o mundo como a primeira na história proporcionalmente e anatomicamente perfeitas sendo escola para os povos que se lhe seguiram por toda a Europa.