O Expressionismo

Foi um movimento artístico que nasce em 1890 na Alemanha e nos países do norte da Europa como reação ao Impressionismo e que se mantém até avançado século XX. A pintura Expressionista procura expressar sentimentos e emoções humanas, de dentro para fora, do eu para o outro, ao contrário do Impressionismo que absorve do exterior para o interior.
O seu objetivo fundamental era criar impetuosas reações no espectador por meio de sentimentos e emoções do artista, expressas com formas audaciosas e cores agressivas. Aqui o detalhe do desenho tal como se entendia no Renascimento ou até no Naturalismo é inexistente, procura-se sobretudo o sentimento, a obra deve tocar, ferir, se necessário, potencializando o impacto emocional do espectador exagerando e distorcendo os temas.
A pintura, por fim, já não era religiosa, não alertava para a pobreza, não tinha a intenção de mostrar a natureza nem as ideologias políticas, era outra coisa, era-lhe dada outra utilidade; despertar sentimentos, mexer com a alma, a psique, ferir, dada a sua feiura porque por vezes era grotesca.
Na Alemanha surgiram importantes grupos expressionistas, tais como o “Die Brücke” (A Ponte), contemporâneo do movimento fauvista francês. Deste grupo, destacam-se Nolde e Kirshner, artistas comprometidos com a política e a situação social do seu tempo. Outro grupo foi o “Der Blaue Reiter” (O cavaleiro Azul), formado em Munique, em 1911, as suas obras eram mais subjetivas e espirituais do que as obras dos Die Brücke. Os artistas do Cavaleiro Azul pensavam que o sentido e o significado de cada quadro estavam na perceção de cada espectador (no meu entender o verdadeiro sentido da arte). Destacam-se no Expressionismo artistas como Edward Munch, Oskar Kokochka e Emil Nolde.

O grito, 1893, Edward Munch. National Gallery, Munchmuseet, Oslo.